fbpx

Digite o que procura

É gripe ou resfriado? Conheça exame que faz a diferenciação da infecção respiratória

09/08/2019
Compartilhar

Com o diagnóstico molecular, o médico pode saber que tipo de patógeno acomete o paciente e qual o tratamento ideal para cada caso.

 

No inverno, é muito difícil conhecer alguém que não tenha passado pelos incômodos de ter coriza, tosse seca, dor muscular, dor de garganta e etc. Por causa do do tipo de vírus ou bactéria, o mal-estar pode ser mais brando e durar alguns dias ou pode até mesmo levar a internamento e complicações, como pneumonia.

Diferenças entre gripe e resfriado

A gripe é causada pelo vírus Influenza e geralmente é mais grave. Portanto, o sintoma mais importante é a febre que dura em torno de 3 dias. É provável que também apareça tosse, dor de garganta e outros sintomas respiratórios  com a progressão da doença, após o desaparecimento da febre.

Já o resfriado pode ser causado pelo Rinovírus, vírus Parainfluenza ou pelo vírus Sincicial Respiratório (RSV), este último geralmente acomete mais as crianças. Contudo, os sintomas são mais brandos e nos casos de febre a temperatura é mais baixa.

Como descobrir se é gripe ou resfriado?

Para dizer com certeza se o paciente está com gripe ou resfriado e qual tratamento realizar, o médico pode solicitar um exame molecular, que traz a informação precisa sobre que tipo de micro-organismo acomete o paciente.

“A medicina conta com uma ampla gama de exames. A precisão do diagnóstico molecular pode representar o sucesso de um tratamento e, até mesmo, a prevenção de uma futura doença ou complicação na saúde”, ressalta o infectologista Dr. Daniel Wagner Santos.

Como funciona o exame molecular?

O teste molecular é realizado pela técnica chamada PCR (Reação em Cadeia da Polimerase). A metodologia faz a amplificação do material genético do vírus ou bactéria, produzindo milhões de cópias até que se obtenha a quantidade suficiente de produto para análise e obtenção do resultado preciso de qual é o agente causador da infecção.

“O teste molecular oferece, em poucas horas, resultado detalhado sobre as bactérias ou vírus presentes na amostra. Desta forma, o médico pode prescrever o antiviral ou antibiótico específico para o patógeno identificado, aumentando a eficácia do tratamento e evitando readequações.”, explica o especialista do laboratório da Mobius Life Science, Lucas França.

Quais doenças são possíveis identificar com o exame molecular?

 Além de distinguir gripe de resfriado, com o diagnóstico molecular é possível identificar com precisão uma série de doenças, como as meningites (bacteriana e viral), infecções sexualmente transmissíveis, tipos de baixo e alto risco de HPV e etc.

Assim sendo, as aplicações desse tipo de teste são inúmeras e tem ajudado muitos profissionais da saúde a realizarem o melhor tratamento para as mais diversas doenças.

Tags: