fbpx

Digite o que procura

Qual é o risco de contrair uma infecção hospitalar no Brasil?

16/02/2021
Compartilhar

Hoje em dia é comum evitar hospitais ou pronto socorro para se prevenir da contaminação viral. Entretanto, o risco de contrair infecções hospitalares nesses ambientes sempre existiu e se chama IRAS: Infecção Relacionada a Assistência à Saúde.

Primordialmente, ela pode ocorrer por diversos patógenos. Além dos vírus, as bactérias, fungos, protozoários e outros micro-organismos também podem infectar quem circula ou permanece nesses locais.

O que é infecção hospitalar?

A infecção hospitalar atualmente é conhecida também como Infecção Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS). De qualquer forma, sua definição é: IRAS são infecções cuja aquisição está relacionada a um procedimento assistencial ou internamento.

Em suma, as IRAS são consideradas quando adquiridas após 72 horas da admissão do paciente e que se manifestam durante a internação, ou após a alta. Se houver infecção desde a admissão, a infecção é classificada quando há um agravamento do caso, isolamento de outro patógeno na mesma topografia (local), ou infecção por outro microrganismo em um sítio diferente do que originou o primeiro atendimento.

Exemplos de infecção hospitalar

Alguns exemplos de infecção hospitalar são as chamadas de sítio cirúrgico (ISC), pneumonias hospitalares, como as pneumonias associadas a ventilação mecânica (PAV). Outro tipo comum são infecções do trato urinário associadas a cateter (ITU) e infecções da corrente sanguínea associadas a cateter (IPCS) são exemplos de IRAS.

Além destas, outras infecções adquiridas em ambiente de assistência, como a diarreia por Clostridium difficile e surtos de infecções virais adquiridas em hospitais também são IRAS. Portanto, à COVID-19, se adquirida em ambiente de assistência também deve ser notificada como IRAS.

No caso do SARS-CoV-2, a infecção hospitalar mais importante é aquela associada à ventilação mecânica, por se tratar de uma infecção de vias respiratórias que pode precisar desse tipo de suporte, mas também as infecções associadas à corrente sanguínea decorrentes da punção venosa. Além destas, as ITU também podem ocorrer, pois os pacientes de UTI que estão desacordados precisam fazer uso do cateter urinário.

A notificação de IPCS à ANVISA é obrigatória e deve ser realizada mensamente por hospitais com UTI dede 2014. Em 2016, tornou-se obrigatória também a notificação de ITU, PAV e ISC por cirurgia cesariana. A notificação inclui ainda os marcadores de resistência microbiana das respectivas infecções.

Conheça os números de hospitais do Brasil que notificaram infecção hospitalar de 2012 a 2018.

Número de hospitais que notificaram de PAV em UTIs. Brasil 2012-2018.

Fonte: ANVISA – Boletim Segurança do Paciente e Qualidade em Serviço de Saúde nº 21, 2018.

Número de hospitais que notificaram de ITU associadas à cateter vesical de demora (CVD) em UTIs. Brasil 2012-2018.

Fonte: ANVISA – Boletim Segurança do Paciente e Qualidade em Serviço de Saúde nº 21, 2018.

Número de hospitais que notificaram de IPCS associadas à cateter venoso central (CVC) em UTIs. Brasil 2012-2018.

Fonte: ANVISA – Boletim Segurança do Paciente e Qualidade em Serviço de Saúde nº 21, 2018.

Número de hospitais que notificaram de ISC ao menos uma vez em 2018. Brasil, 2018.

Fonte: ANVISA – Boletim Segurança do Paciente e Qualidade em Serviço de Saúde nº 21, 2018.

Risco em ambiente hospitalar e de saúde

De fato, existe o risco de contaminação em ambientes de saúde por microrganismos simples ou multirresistentes, que são aqueles que não respondem a qualquer terapia antimicrobiana. De tal forma que o principal exemplo de multirresistência são as superbactérias e estas são as mais relevantes clinicamente:

 – A klebsiella pneumoniae carbapenemase (KPC), bactéria que produz a enzima que confere resistência aos antibióticos do tipo Carbapenens;

– O Staphylococcus aureus resistente à Meticilina (MRSA) e

– O Enterococcus resistente à Vancomicina (VRE)

A princípio, estas superbactérias são mais comuns em ambientes hospitalares e o seu desenvolvimento está diretamente ligado ao uso indiscriminado de antimicrobianos.

Leia também:

Medidas de precaução

As medidas de precaução são aquelas que devem ser tomadas para evitar a disseminação de microrganismos patogênicos, e consequentemente, a contaminação por eles em ambientes de saúde.

Segundo a ANVISA, elas podem ser do tipo: precaução padrão; precaução de contato; precaução de gotículas ou precaução de aerossóis.

Tais medidas devem ser realizadas de acordo com a suspeita clínica e os resultados laboratoriais, pois para cada patógeno é indicada uma precaução específica, de acordo com a sua capacidade de transmissão.

Em hospitais esse controle é realizado pelo Serviço de Epidemiologia e Controle de Infecção Hospitalar (SECIH), que é também responsável pelo envio de cepas resistentes aos laboratórios centrais e pela notificação dos casos aos órgãos de controle epidemiológico.

Entenda mais sobre as medidas de precaução com as recomendações da ANVISA.

Notificação compulsória

A notificação é o informe detalhado de casos de doenças e agravos de notificação compulsória aos órgãos de controle de saúde. Ela é obrigatória por lei e deve ser realizada pelos responsáveis por laboratórios, instituições de saúde, bem como por profissionais da área e pelos Serviços de Controle Epidemiológico e Infecção Hospitalar (SECIH) de todos os hospitais. Mas, a notificação desses casos também pode ser realizada por qualquer cidadão.

Confira a lista das doenças e agravos de notificação compulsória e o prazo para a realização da notificação.

Diagnóstico molecular

O diagnóstico molecular é fundamental para a prevenção do desenvolvimento de mecanismo de resistência bacteriana aos fármacos. Com ele é possível detectar rapidamente o material genético do patógeno por meio da extração e amplificação de DNA e RNA diretamente das amostras do paciente, sem necessidade de cultura prévia.

A princípio, existem kits que não precisam sequer de extração prévia de material genético. Isso agiliza a rotina laboratorial e a liberação dos resultados das análises. O resultado rápido permite o tratamento adequado ao paciente.

Os kits de diagnóstico multiplex, realizam a detecção simultânea de diversos patógenos e alguns deles incluem a análise de resistência aos antimicrobianos no mesmo teste.

Com o diagnóstico molecular, é possível também, realizar a correta notificação dos casos de notificação compulsória, que são doenças que exigem rígido controle epidemiológico.

Como é feito diagnóstico molecular?

De fato, para a análise dos materiais genéticos de DNA ou RNA, a maioria dos testes necessita a extração prévia do material genético. Para isso, utiliza-se kits de extração de DNA e RNA. Em seguida, realiza-se a amplificação desse material com a enzima DNA polimerase, no caso de patógeno que possui DNA como material genético. Essa técnica é conhecida como PCR, que significa reação em cadeia da polimerase.

Todavia, para a detecção dos patógenos que possuem RNA como material genético, a enzima utilizada para a transcrição de RNA para DNA é a transcriptase reversa. Essa técnica é conhecida como RT-PCR e esse é o método utilizado para o diagnóstico do SARS-CoV-2, que causa a COVID-19.

Dessa forma, existem kits de extração de material genético que agilizam a rotina diagnóstica detectando simultaneamente DNA e RNA na mesma amostra. Sem dúvida, a extração de DNA de alto rendimento é realizada em apenas 30 minutos e é possível utilizar diversos tipos de amostras, desde frações sanguíneas à fluidos corporais.

Kits que não dependem de extração prévia de material genético

Antes de mais nada, no mercado laboratorial já tem disponível kits multiplex que realizam a detecção simultânea de diversos patógenos para diferentes tipos de infecções hospitalares. Esses kits utilizam chips de tecnologia avançada, mas com princípio metodológico bem fundamentado, que é o dot-blot.

Painel respiratório

Este teste realiza a detecção de 24 patógenos, incluindo vírus e bactérias. Detecta inclusive os coronavírus MERS e SARS-CoV-2, o vírus Influenza H1N1 e a bactéria B. pertussis que causa a Coqueluche. Todos esses patógenos são de notificação compulsória.

Painel para diagnóstico de Infecções em diferentes sítios e SEPSE

Realiza a detecção de 36 patógenos que causam infecções de corrente sanguínea causada por patógeno comunitário ou IRAS de diversos sítios como PAV, ITU, IPSC e ISC incluindo a detecção de KPC, MRSA e VRE. Realiza também a análise de resistência aos respectivos antimicrobianos.

Nesse sentido, para este teste é possível utilizar amostras de colônias em meio de cultura, hemoculturas positivas e swabs de vigilância.

Detecção molecular de IRAS por Clostridium difficile

O kit de diagnóstico multiplex de gastroenterite bacteriana detecta o Clostridium difficile e outras 6 importantes bactérias.

A infecção hospitalar por esta bactéria é grave. Ao passo que o seu diagnóstico e monitoramento só podem ser realizados de maneira efetiva com auxílio do diagnóstico molecular. Primordialmente, ele permite a detecção rápida e precisa do microrganismo e o seu perfil de resistência antimicrobiana, imprescindíveis para o diagnóstico correto, prevenção da disseminação, monitoramento dos casos e cepas resistentes. Além do mais, levam ao tratamento adequado dos pacientes e notificação específica dos casos para o controle epidemiológico.

Isso reduz as taxas de morbidade e mortalidade por IRAS, além de reduzir custos hospitalares.

Vídeo aula gratuita sobre infecções hospitalares

A Mobius disponibiliza de forma gratuita em sua universidade corporativa, a UniMobius, cursos sobre biologia molecular e a aplicação no diagnóstico de doenças infecciosas. Em suma, basta fazer seu cadastro como aluno e terá acesso a todo conteúdo.

Veja esta aula que pode ser de seu interesse:

Tags:

Você pode gostar também

1 Comment